Iniciar

Para iniciar esta Página, faça um clic na foto.
Navegue....e mergulhe, está num rio de águas límpidas!

domingo, 27 de dezembro de 2009

Os pilares da Economia em 2009

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O Vouguinha2 deseja-vos um FELIZ NATAL!

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

"O Palhaço", segundo Mário Crespo


IMPERDÍVEL!

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O palhaço
Ontem

MÁRIO CRESPO, JORNALISTA

(in JN)


O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.

O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.

Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.

O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.

E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples.

Ou nós, ou o palhaço.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

E se a moda pega?




Não sou apologista da violência. Não é a forma ideal para manifestações de desagrado ou antipatia.
Segundo as noticias, terá sido um "doente mental" o autor da agressão a Berlusconi, a vítima neste vídeo.
Sabendo-se da propalada estratégia de vitimização entre os nossos muros, temo que alguém "com juízo" siga o exemplo daquele italiano que dizem não o ter e deforme as cínicas fuças de quem, por cá, as anda a pedir há alguns anos!
Para que se fortaleça o tão querido estatuto de vítima.....à moda Marinha Grande!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Há sinceridade nisto?

.... não sei....não sei!


RTP - GRANDE ENTREVISTA

A máquina resolveria?



... não sei, não sei!!!

O que sei é que estação televisiva que todos nós pagamos não entrevista o sucateiro arguido, nem nenhum dos outros implicados no processo.
Como não entrevista os milhares de arguidos anónimos que se vão debatendo na Justiça.
Mas Vara é Vara! Além de socialista, sabe escolher as amizades....
Bem eu venho dizendo que isto é uma democracia de iguais....onde uns são mais iguais do que outros...

RTP - GRANDE ENTREVISTA

RTP - GRANDE ENTREVISTA

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Palhaçadas "para lamentares"

Proíbam-se os animais no Circo, que os palhaços já estão todos no "Hemicirco"!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Primeiro de Dezembro


Foi em 1640 que um grupo de conjurados, interpretando os sentimentos de toda uma Nação, restaurou a Independência deste torrão ocidental da Ibéria.
Passados 369 anos, que nos resta do gesto abnegado que nos permitiu continuarmos senhores dos nossos destinos?
Com a integração europeia e a consequente abolição das fronteiras, para além dos horizontes que a União Europeia nos abriu e a que já não podemos fugir, assistimos a uma autêntica invasão espanhola do mercado português.
Mais do que o algodão, os números não enganam. Se importamos do país vizinho cerca de 29 milhões de euros por dia e para lá exportamos metade desse valor, não há como mitigar a dependência económica a que estamos subjugados.
Se nos lembramos que, por mero e simbólico exemplo, nos últimos anos, enquanto o governo espanhol aproveitou todos os subsídios europeus para o esforço de desenvolvimento agrícola e das pescas, dinamizando e incentivando esses sectores, Portugal desperdiçava-os, enquanto postava em coma profundo a nossa agricultura e apoucava a actividade piscatória, do que resultou uma inevitável invasão de produtos hortofrutículas e de pescado no nosso espaço comercial.
Tudo isto num país com mais de meio milhão de desempregados, muitos mais inactivos e subsídio-dependentes!...
O mérito vai de TGV para as políticas espanholas, que quiseram e souberam apoiar a conquista do nosso mercado, enquanto o desmérito assenta como traja negra na lapela dos nossos políticos que, nesse e noutros vectores, deixam marca de autêntica e vexante subordinação aos interesses dos nossos vizinhos.
E não são os salameleques ao Rei de Espanha nem os filiais abraços ao Zapatero que me preocupam, como não são a cordialidade e boa vizinhança, bem como a união de esforços conjuntos dos dois Estados junto da União Europeia, na defesa de interesses comuns.
O que me preocupa - e nos deve preocupar todos -, são os sinais e as evidências que se reforçam a cada ano, de tacanha subserviência política e dependência perante o país que nos subjugou dezenas de anos pela força das armas e o vai fazendo, nestes tempos, paulatinamente, por irresponsabilidade nacional, pela força da economia e pela falácia das medidas de quem nos governa.
Diria Bocage, dirá hoje qualquer português com senso de humor que, se em 1640, tempo de reis e de forte gente, os portugueses os tinham no sítio, há muitas dúvidas que, 369 anos depois, quem gere os destinos desta nação restaurada, os tenha em sítio algum!
Penso e digo eu, que, por me não rever nesta nossa Política e nestes políticos, sou "negativista".
Quanto ao mais, que o 1º de Dezembro seja sempre celebrado.